Ingredientes da cerveja artesanal Parte 1: Lúpulo

Você sabe o que é a Lei da Pureza Alemã (Reinheitsgebot)? Ela é uma lei, criada em 1516, que instituiu que as cervejas deveriam conter apenas lúpulo, água, malte de cevada e levedo. Na Alemanha, qualquer um que desrespeitasse a Reinheitsgebot seria punido pelas autoridades da corte, tendo os barris de cerveja confiscados. Essa foi a maneira que os alemães encontraram para garantir que a bebida fosse da mais alta qualidade.

Com o passar dos anos, outros países começaram também a adotar essa lei. Atualmente, outros ingredientes são admitidos, mas muitas cervejarias seguem as prescrições da lei como uma garantia de alta qualidade.

A Opa Bier se dedica à produção de cervejas artesanais elaboradas com maltes e lúpulos selecionados. A cervejaria de Joinville elabora Chopp e cerveja de alta qualidade que segue a Lei Alemã de Pureza, preservando o verdadeiro sabor e satisfazendo os mais exigentes paladares.

Em uma série de posts aqui no nosso blog, vamos falar sobre os quatro principais ingredientes para a produção da cerveja artesanal que segue a Lei da Pureza. Nesse primeiro post da série, descubra mais sobre o Lúpulo.

 

Afinal, o que é o Lúpulo?

cerveja artesanal opa bier lúpulo malte
O Lúpulo é uma planta trepadeira com altura entre cinco e sete metros. Seu nome científico é Humulus lupulus, da família Cannabinaceae. A planta tem propriedades relaxantes, sendo empregada também para fins terapêuticos.

Para a produção da cerveja são utilizados somente os cones das plantas femininas.

A planta é muito sensível ao clima e deve ser cultivada em regiões com longos invernos e verões amenos e chuvosos.

Atualmente, 80% da produção mundial estão na Alemanha, Estados Unidos, China e República Checa. Conforme o livro Larousse da Cerveja, foram feitas várias tentativas de cultivar a planta na serra gaúcha, mas sem muito sucesso.

 

Qual é o papel do Lúpulo na cerveja?

No ano 600, o lúpulo começou a ser utilizado com o intuito de conservar a cerveja, para evitar que ela azedasse até que fosse consumida. Além disso, ele equilibrava o gosto adocicado do malte.

Com o tempo, o lúpulo se tornou um dos principais ingredientes da cerveja para dar aroma e sabor (mais ou menos amargo), considerado como um “tempero”.

Para a produção de cerveja, o lúpulo é utilizado em pequenas quantidades. São necessários de 40 a 300 gramas para produzir 100 litros de cerveja, variando conforme o estilo da bebida.

Durante processo de produção, o lúpulo é adicionado quando se inicia a fervura, após a mostura e a filtração do mosto. No calor do cozimento, a planta libera suas resinas de sabor amargo, dando o sabor característico da cerveja.

Na fervura, a planta também libera óleos essenciais que aromatizam, mas que acabam sendo eliminados com o tempo de cozimento. Por esse motivo, é feita uma segunda adição de lúpulo já no final da fervura, com o intuito de extrair e manter os aromas da planta. É importante destacar que existem diferentes variedades de lúpulos que podem ser adicionados nessa etapa final, proporcionando aromas florais, herbais, frutados e condimentados. Tudo vai depender do estilo da cerveja ou do gosto do cervejeiro.

Além das resinas e dos óleos essenciais, o lúpulo também libera os polifenóis, substâncias que ajudam na conservação da cerveja.

Como você pode perceber, o lúpulo tem um importante papel na fabricação das cervejas artesanais. Ele pode proporcionar diferentes estilos, com aromas e sabores nobres.

Agora, ao degustar a bebida, você poderá interpretar o amargor do lúpulo como o “tempero” da cerveja, que equilibra e contrasta com a doçura do malte. Além disso, lembre-se de apreciar os aromas da bebida que se originam do lúpulo escolhido.

Que tal apreciar uma India Pale Ale da Opa Bier, com a adição de lúpulos que a caracterizam como amarga e de aroma frutadotrazem aromas e sabores característicos para esses estilos?

Hey! Se beber, vá de carona 😉 E lembre-se: consuma com moderação; bebidas alcoólicas são proibidas para menores de 18 anos.